Polímeros que se descompactam: Um novo tipo de plástico que promete inovar

Publicado em 20/02/2019
Polímeros que se descompactam: Um novo tipo de plástico que promete inovar

A maioria dos plásticos sintéticos foi criada para ter uma alta durabilidade, já que sua principal função foi substituir vidros e metais de alguns produtos. A grande questão é que esse tipo de material se popularizou rapidamente e tomou um espaço tão grande, que hoje temos uma infinidade de plástico pelo mundo.

Essa propriedade do plástico que torna sua vida útil maior, acabou gerando problemas de sustentabilidade no planeta. Materiais sintéticos duram milhares de anos e acabam acumulados por aí. São canudos, tampas, copos, brinquedos, acessórios e embalagens que quase não se degeneram.

O grande desafio de químicos ao redor do mundo é desenvolver uma espécie de polímero que seja resistente durante seu uso e instável após o mesmo, assim sua degradação seria maior, mais rápida e o Meio Ambiente teria seus dias de glória.

O cientista Adam Feinberg chegou bem perto de conquistar o brilhante desenvolvimento de polímeros descompactados. Ele projetou uma espécie de plástico que quando exposto a luz se desintegrava.

Economicamente falando, substituir os principais tipos de plásticos mais usados no dia a dia das pessoas, como o polietileno (sacolas de supermercado), não é viável. Para tornar o trabalho mais efetivo, cientistas estudam novas possibilidades para colchões e assentos de carro.

Aprimorar materiais que tanto usamos atualmente é de extrema importância para conseguirmos viver de uma maneira mais sustentável, saudável e duradoura. A aposta do momento são esses polímeros diferenciados e que prometem substituir os atuais plásticos.

Voltar